Postagens populares

domingo, 14 de junho de 2009

DEP. BEL MESQUISTA/PMDB - POLÍTICA PERIGOSA

URGENTE! Projeto de educação em casa em perigo no Congresso Nacional
Deputada da base do governo Lula quer a rejeição da educação escolar em casa no Brasil

Julio Severo

A Dep. Bel Mesquita, relatora do projeto PL-3518/2008, apresentou parecer rejeitando a educação escolar em casa no Brasil. Sem uma mobilização urgente da população católica e evangélica, famílias perderão um importante direito natural.

O PL-3518/2008, que havia sido originalmente introduzido pelo deputado evangélico Henrique Afonso e pelo deputado católico Miguel Martini, tem como objetivo devolver às famílias brasileiras seu direito natural de atuar diretamente na educação dos próprios filhos.

O direito de educar os filhos em casa não é estranho à cultura brasileira, tendo sido presente nas Constituições do Brasil até 1988, quando constituintes socialistas, na elaboração da Constituição de 1988, conseguiram exterminar da realidade brasileira a liberdade educacional que sempre existiu. No lugar, impuseram na Constituição de 1988 freqüência obrigatória ao estabelecimento escolar, como se a mera presença do aluno em instituição de ensino fosse sinônimo de educação. Se fosse assim, a mera presença de uma pessoa numa garagem a tornaria automaticamente um carro!

Contudo, a atual realidade brasileira, com uma educação estatal decadente e precária, prova o que a falta de liberdade educacional e a burocracia estatal provocam.

Mesmo assim, a mentalidade socialista impõe a burocracia e rejeita a liberdade. É dentro dessa mentalidade que a Dep. Bel Mesquita, do PMDB aliado do governo Lula, apresentou parecer rejeitando o projeto de lei que procura devolver aos pais o controle sobre a educação de seus filhos.

Enquanto o governo, que está fracassando na educação das crianças, está empenhado em derrotar o único esforço parlamentar em defesa de pais aptos que querem educar os próprios filhos, famílias sofrem o peso da injustiça estatal.

Em Minas Gerais, o casal Cleber e Bernadeth Nunes, que educam os filhos em casa, foi submetido à perseguição legal envolvendo o Ministério Público e o Conselho Tutelar. Posteriormente, o juiz exigiu uma avaliação educacional dos filhos dos Nunes. Quando a avaliação, feita por meio de provas rigorosas preparadas por professores do governo, resultou na aprovação dos meninos, a resposta estatal, em vez de reconhecer a competência da educação em casa e cessar toda hostilidade governamental contra uma família inocente, foi endurecer-se contra ela.

Em 2001, no famoso caso da família Vilhena, que lutou muito para recuperar seu direito de educar os filhos em casa, o STJ chegou estupidamente a declarar que “os filhos não pertencem aos pais”. Não muito diferente do nazismo e do comunismo, que igualmente reconheciam que “os filhos não pertencem aos pais”. Daí, nem o nazismo nem o comunismo permitiam “interferência” dos pais no “direito exclusivo” de o Estado determinar e controlar a educação das crianças. Por pura coincidência, a mentalidade marxista é dominante na educação pública brasileira.

Se não conseguirmos resgatar para as famílias brasileiras a liberdade de educar os próprios filhos, restará apenas o “direito exclusivo” de o Estado determinar e controlar a educação das crianças. O resultado? Olhe para a história e veja a sociedade nazista e comunista, ideologicamente controladas desde as escolas, onde a educação das crianças era prerrogativa exclusivamente estatal. Precisamos repetir os erros deles?

Criam-se no Brasil direitos que não deveriam existir, com inúmeros projetos de lei para garantir permissões e privilégios à sodomia e ao aborto, porém tira-se das famílias naturais seus direitos naturais. O único projeto de lei de educação em casa no Congresso Nacional está sob ameaça de morrer, por oposição dos aliados do governo Lula.

Enquanto a bancada evangélica anda ocupadíssima tentando aprovar o ridículo e desnecessário Dia do Evangélico, um projeto necessário e fundamental para as famílias precisa urgentemente de apoio e envolvimento. Sem uma ação imediata da sociedade, inclusive fazendo pressão sobre os deputados, prevalecerá um parecer arrogante contra a liberdade dos pais.

Tudo o que é necessário para que o mal avance é os bons cruzarem os braços. Por isso, convoco você a descruzar os braços.

Convoco todos a escreverem ou telefonarem imediatamente ao Congresso pedindo a aprovação do PL-3518/2008, que está na Comissão de Educação e Cultura.

Escreva e telefone para eles pedindo envolvimento e ações para que o PL-3518/2008 não seja rejeitado. Encoraje-os a aprovar o projeto.

Escrevendo aos deputados. A lista completa dos emails deles está aqui, em formato Excel. Para fazer o download, é só clicar aqui.

Você pode também mandar mensagens aos deputados através do sistema automático da Câmara, clicando aqui.

Para ver o PL-3518/2008 na íntegra, clique aqui.

Repasse esta mensagem a todos os seus amigos.

Fonte: www.juliosevero.com

Leia mais ler mais sobre o PL-3518/2008, clique aqui.

Homeschooling: uma alternativa constitucional à falência da Educação no Brasil

Educação escolar em casa no Congresso Nacional

SENADOR PAULO PAIM/PT - POLÍTICO PERIGOSO

ESTATUTO DO MARXISMO RACIAL

Bruno Pontes

Estava marcada para 13 de maio, na Câmara dos Deputados, a votação de outro projeto de engenharia social da esquerda militante, o Estatuto da Igualdade Racial. Escrevo este artigo sem saber se houve a votação ou o resultado dela. Se o projeto passar, a sanção de Lula é praticamente certa. E então uma estupidez monumental terá sido cometida em nome da maldita correção política que já imbecilizou uma geração inteira e promete deixar um legado nefasto.

Quem lê o texto do estatuto é logo avisado pelo senador petista Paulo Paim, autor do projeto: "Sabíamos que ao defender essa bandeira, muitos seriam contrários. Afinal, o preconceito está arraigado em nossa sociedade. Os argumentos dos conservadores de hoje são os mesmo dos escravocratas da época da Abolição". Mais: o texto afirma que "hoje (...) a batalha entre os que defendem os princípios abolicionistas e os escravocratas perdura". É a velha tática de chantagear emocionalmente para desencorajar qualquer resistência. Antes de dar um pio, o herege já está condenado. Qualquer oposição que se faça é movida pelo orgulho ferido dos brancos safados que não querem perder privilégios centenários, os escravocratas do século XXI. Que tal?

O Estatuto da Igualdade Racial seria chamado mais apropriadamente de Estatuto do Marxismo Racial. O que é classe na teoria do barbudo vira cor de pele na teoria da antropologia picareta de Paim e companhia. É disso que se trata, e seus autores não estão muito preocupados em disfarçar. O material é riquíssimo, mas, por falta de espaço, destaco aqui dois absurdos apenas.

O artigo 62 diz que os governos "ficam autorizados a promover ações que assegurem a igualdade de oportunidades no mercado de trabalho para os afro-brasileiros, e a realizar contratação preferencial de afro-brasileiros no setor público e a estimular a adoção de medidas similares pelas empresas privadas". A tradução é simples: acabou esse negócio de contratação por mérito. O mérito agora é a cor do sujeito. Acabou também essa lenda de que são os empresários que mandam nas empresas. Os empresários são empregados do Estado e devem cumprir as ordens do politburo.

Outro artigo fantástico, o 74, determina a quantidade de negros nos meios de comunicação. Pelo menos 20% dos atores e figurantes de qualquer produção televisiva devem ser negros. A coisa é idiota a esse ponto. Se forem encenar a história da Branca de Neve, será obrigatória a presença de um anão preto. O pessoal das artes que se vire para adaptar.

A esquerda brasileira está lutando para tornar dogma a noção de raça, já enterrada pela ciência, e dividir juridicamente a sociedade em cidadãos brancos e cidadãos pretos, os primeiros transformados pelo Estado em eternos suspeitos de crime racial e os segundos em coitados profissionais, para a satisfação de Paulo Paim e companhia, ongueiros e burocratas socialistas que ganham a vida regulando o mundo a partir de suas repartições. Parece que está chegando a hora de instaurar o apartheid com consciência social.

Fonte: Bruno Pontes

Divulgação: www.juliosevero.com

Veja também:

Estatuto da [Des]Igualdade Racial será votado na quarta

Irã, ódio aos judeus e o esquizofrênico governo Lula

Em busca dos altares antigos: Rejeitando as raízes de Israel e acolhendo as raízes afros Lula quer Plano Nacional de Combate à Intolerância Religiosa

Pastor que incentivou criminoso arrependido a se entregar para a polícia cai na teia das leis anti-discriminação

Juiz brasileiro determina que livro de padre denunciando a bruxaria seja removido de livrarias

Lobo em pele de ovelha: O Estado policial e sua ameaça de leis antidiscriminação